Lutando para ter mais vida no trânsito.

Por Ildo Mário Szinvelski* – Viver é lutar; e quando a causa é nobre, a luta é ainda mais renhida, ainda mais estimulante. E o que pode ser mais importante do que lutar pela vida? O Detran/RS está lutando em inúmeras frentes e o resultado não se fez esperar. Em apenas 11 meses, de janeiro a novembro de 2015, o número de acidentes com vítimas fatais foi reduzido em 17,4%. Isso representa 15,2% mortos a menos nas vias gaúchas. Como se explica essa tendência que supera a expectativa da Organização das Nações Unidas? Com muito, muito trabalho em todas as áreas. Não há soluções simples para problemas complexos, e todos, sem exceção, podem trazer sua contribuição para a segurança no trânsito. No Detran/RS, os mais variados setores estão empenhados em cumprir metas relacionadas, direta ou indiretamente, ao seu objetivo principal: a defesa da vida. São ações de educação, formação de condutores, combate à alcoolemia, ao excesso de velocidade, intensificação dos processos de suspensão do direito de dirigir em mais de 40%, reduzindo a sensação de impunidade na sociedade. Mas não é só isso. Estão ocorrendo qualificações de psicólogos e dos demais credenciados ao órgão, como Centros de Formação de Condutores, Centros de Registro de Veículos Automotores e Centros de Desmanche de Veículos, sem esquecer os examinadores que aplicam as provas teóricas e práticas de direção. Com poucos ou mesmo sem recursos, estamos atendendo as necessidades de informação e de educação do cidadão via mídia e redes sociais, com mensagens voltadas à prevenção. Nossa fiscalização, através da Balada Segura e da Viagem Segura, integra o Detran/RS a outros órgãos, buscando arrostar a violência do trânsito. Nessa linha, 2015 marcou a criação de grupos de trabalho e ações voltadas a ciclistas, motociclistas, motoristas profissionais, caminhoneiros, profissionais do transporte coletivo, turistas de outros países que atravessam ou permanecem no território gaúcho, sobretudo no verão. Muitas vezes bo foco está na redução das infrações, pois se sabe o quanto é comum que elas levem aos chamados “acidentes”. Aí entra o TEM (Talonário Eletrônico de Multas), que permite ao agente de fiscalização a realização imediata do auto, com maior precisão. Apesar de todo o esforço do Estado, ainda se faz necessária a sensibilização do condutor do veículo para a transformação da via pública em um espaço pacificado, harmonizado e humanizado para todos. Não adianta culpar os outros, as vias, a sinalização. A vida irradia de dentro para fora através das condutas individuais. São elas, em última análise, que constroem o bem estar de todos.
Fonte: radarnacional