Os municípios de Itacoatiara (AM), Teresina (PI), Canoas (RS) e Fortaleza (CE) serão os próximos a receber a equipe do Ministério e parceiros para a aplicação assistida do SIMU. Já as cidades de Pinhão (PR), Anápolis (GO), Campo Grande (MS) e Belo Horizonte (MG) realizarão a aplicação piloto de forma independente. Os locais foram escolhidos por possuírem características habitacionais diferentes. A fase de testes servirá para registrar dificuldades eventualmente encontradas para a coleta de informações. O objetivo do programa é dar transparência à população sobre as ações do Poder Público e subsidiar o planejamento da mobilidade urbana. Na esfera nacional, a proposta é nortear o desenvolvimento de políticas públicas. O SIMU terá 14 eixos temáticos para retratar a realidade social. Além do transporte, também serão verificadas questões como acessibilidade, planejamento, custo, capacitação e tecnologia. O SIMU será aberto para consulta pública quando for concluído. As cidades poderão atualizar as informações na ferramenta e consultar dados de outros municípios. Por meio de Termo de Cooperação Técnica, entidades ligadas ao setor prestam apoio ao Ministério das Cidades nos seminários de sensibilização à Política Nacional de Mobilidade Urbana e no desenvolvimento de indicadores e acompanhamento das aplicações do SIMU. A plataforma está de acordo com a Lei de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/12), que define como atribuição da União a tarefa de organizar e disponibilizar informações sobre o sistema de mobilidade urbana e a qualidade e produtividade dos serviços de transporte público coletivo.

Fonte: radarnacional

" />

Raio-x da mobilidade urbana vai detalhar problemas no trânsito do país

Municípios brasileiros serão mapeados e incluídos em uma plataforma online de informações sobre a mobilidade urbana. O Sistema Integrado de Mobilidade Urbana (SIMU), criado pela Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades está em fase de testes. O plano piloto integra as cidades de Canaã dos Carajás (PA), Votuporanga (SP) e Gravataí (RS). Os municípios de Itacoatiara (AM), Teresina (PI), Canoas (RS) e Fortaleza (CE) serão os próximos a receber a equipe do Ministério e parceiros para a aplicação assistida do SIMU. Já as cidades de Pinhão (PR), Anápolis (GO), Campo Grande (MS) e Belo Horizonte (MG) realizarão a aplicação piloto de forma independente. Os locais foram escolhidos por possuírem características habitacionais diferentes. A fase de testes servirá para registrar dificuldades eventualmente encontradas para a coleta de informações. O objetivo do programa é dar transparência à população sobre as ações do Poder Público e subsidiar o planejamento da mobilidade urbana. Na esfera nacional, a proposta é nortear o desenvolvimento de políticas públicas. O SIMU terá 14 eixos temáticos para retratar a realidade social. Além do transporte, também serão verificadas questões como acessibilidade, planejamento, custo, capacitação e tecnologia. O SIMU será aberto para consulta pública quando for concluído. As cidades poderão atualizar as informações na ferramenta e consultar dados de outros municípios. Por meio de Termo de Cooperação Técnica, entidades ligadas ao setor prestam apoio ao Ministério das Cidades nos seminários de sensibilização à Política Nacional de Mobilidade Urbana e no desenvolvimento de indicadores e acompanhamento das aplicações do SIMU. A plataforma está de acordo com a Lei de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/12), que define como atribuição da União a tarefa de organizar e disponibilizar informações sobre o sistema de mobilidade urbana e a qualidade e produtividade dos serviços de transporte público coletivo.

Fonte: radarnacional